quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

O mistério


Quando escolhi ser enfermeira, eu sabia que haveriam momentos duros. Muitas vezes não só a nível físico mas muito em parte, a nível emocional.
E de emoções meus amigos... estou eu cheia!
Tem dias que pareço um passador de lágrimas desnorteado. Brotam por todo o lado em descontrolo absoluto.
Ontem foi mais um dia.
Todos os meses são centenas de casais a entrar pela clínica em busca do milagre da vida: o bebé.
Mas nenhum deles sequer imagina que depois de conseguir o dito milagre, os riscos a que este está exposto são iguais a qualquer outro ser que foi criado naturalmente, muitas vezes até sem ser planeado ou desejado.
Que lições teremos nós de aprender?
Porque existem pessoas que parecem sofrer tão mais que qualquer outra?
Tem dias que me apetecia pedir a Deus para que dividisse melhor esta dor. Sempre ouvi dizer que quando partilhada, dói menos.

Como se encara o amanhecer quando, depois de "minhentos" tratamentos e uma gravidez terminada às 25 semanas por malformação, se encara agora um pequeno milagre com 13 semanas e uma leucemia rara?

E mais não digo porque me falham as forças na escrita. Porque me assalta uma raiva desmedida. Porque me assombram pensamentos negros e dolorosos. Porque de injustiça está este mundo e o outro cheio.

E não consigo de deixar de ser egoísta no pensamento. E, de trazer toda esta experiência do outro para a minha própria vida...porque eu ainda me lamento por tanta coisa que me fez sofrer. Quando a minha vida ainda nem a meio vai! (assim espero).

Que mais irá chegar e quando...

... o mistério da vida.

sábado, 14 de fevereiro de 2015

HAPPY Valentine's Day

-Amar é isso. Procurar mais mesmo depois de já estar encontrado.
-Na pior das hipóteses encontro-te outra vez.

P.C. Freitas